Instagram E-mail Vimeo Twitter Facebook

logo

“Luiz e a Liberdade” estreia dia 13 de maio
29 de Abril de 2017

Este post foi escrito por Tatiana Mendonça

Animadores nos ensaios de “Luiz e a Liberdade”. Fotos: Márcio Lima / Divulgação

” Um dia serão história
Este sangue, esta coragem
Esta dor que o corpo esquece
Este peso na memória
Das gentes se acumulando.”
(Myriam Fraga)

Décadas antes da abolição da escravatura no Brasil, em 13 de maio de 1888, um negro baiano já havia conquistado judicialmente a liberdade de centenas de homens e mulheres escravizados. Inspirado por esta história, o grupo A RODA de teatro de bonecos levará aos palcos a infância e juventude de Luiz Gama, considerado o maior abolicionista do Brasil. A estreia de “Luiz e a Liberdade” acontece, coincidentemente, no dia 13 de maio, no Teatro Sesi do Rio Vermelho.

O espetáculo ficará em cartaz aos sábados e domingos às 16 horas até o dia 18 de junho, a preços populares. Em cena, estarão bonecos de luva confeccionados pela artista visual Olga Gómez, que dirige a companhia. Esta é a primeira vez, desde a fundação do grupo, em 1997, que A RODA irá utilizar os populares fantoches. “A escolha da técnica tem a ver com a história, que é um argumento muito triste, vinculado ao tempo anterior à abolição da escravidão. Com os bonecos de luva, ela ganha vivacidade e encanto”, conta Olga.

Olga Gómez com os bonecos que produziu para o espetáculo

As pesquisas para a montagem começaram no final de 2014, a partir da leitura de uma biografia de Luiz Gama escrita pela poeta baiana Myriam Fraga (1937-2016). O desejo da companhia era que a autora assinasse o texto da peça, explica Marcus Sampaio, produtor do grupo. “A perda de Myriam deixou um grande vazio em nós e também no projeto. De uma hora para outra, ficamos órfãos da palavra”.

A dramaturgia do espetáculo acabou sendo construída por Olga a partir de versos de Myriam, com autorização da sua filha, Ângela Fraga. O espetáculo será dedicado à poeta. “Fico admirada da compreensão de Myriam sobre a problemática da sociedade baiana e suas consequências. Os seus poemas conseguem colocar paradoxos e questionamentos e os resolvem na brevidade de um verso”. A peça também conta com algumas trovas do próprio Luiz Gama, que além de rábula (advogado sem formação acadêmica) foi orador, jornalista, escritor e poeta, e com diálogos elaborados coletivamente pela trupe.

“O espetáculo tem uma intenção conciliadora e pacificadora. Dentro da nossa sociedade mestiça, é preciso reconhecer todos os aspectos que a constituem e seus valores. Sem a cooperação de todos, não será possível resolver os graves problemas de desigualdade social e econômica que nos desgarram. A escravidão sim foi um crime e é necessária uma reparação solidária”, diz Olga.

A peça conta a história da infância e juventude do abolicionista Luiz Gama

Os animadores Naiara Gramacho, Bernardo Oliveira, Janaína França, Nara Santos e Isaac Ribeiro darão vida aos personagens do espetáculo. Eles integraram o Programa de Estágios da companhia, que oferece treinamento em animação. Para se aproximar do público e conhecer suas impressões sobre a construção da peça, foram realizadas no ano passado quatro vivências em escolas da rede municipal de ensino de Salvador, nos bairros de Brotas e Coutos, além de uma apresentação em processo na Flica – Festa Literária Internacional de Cachoeira. “Foi fascinante mergulhar na técnica dos bonecos de luva, que é a mais próxima do imaginário das pessoas. Quem nunca inventou um boneco vestindo uma meia na mão? Nas vivências escolares, ficou claro como esse tipo de boneco dialoga maravilhosamente e de imediato com o público”, diz Marcus.

Para o produtor, o objetivo da peça é mostrar o “potencial que há em cada um desde muito pequeno”. “E também lembrar como o amor que Luiz recebeu da sua mãe o transformou. Foi um dos pilares da sua força e sabedoria quando adulto. Para mim, a lição dessa história é ser quem se é”.

A pesquisa e produção do espetáculo são patrocinadas pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) e integram a segunda edição do projeto Madeira Viva, contemplado no edital de apoio a grupos e coletivos culturais de 2014.

Luiz e a Liberdade
De 13/05 a 18/06 de 2017, sábados e domingos, às 16 horas
Local: Teatro SESI Rio Vermelho
Ingresso: R$20 inteira / R$10 meia
Classificação: Livre (indicado para maiores de 5 anos)
Duração: 60 minutos
Gênero: Teatro de Bonecos
Apoio Financeiro: Fundação Cultural do Estado da Bahia

Ficha técnica 
Direção Artística e Bonecos: Olga Gómez
Direção de produção: Marcus Sampaio
Diretor Assistente: Osvaldo Rosa
Assistência de Direção: Naiara Gramacho
Direção Musical: Naiara Gramacho, a partir de temas escolhidos por Elinaldo Nascimento
Argumento: Poemas de Myriam Fraga e trovas de Luiz Gama reunidos por Olga Gómez
Atores animadores/cantores: Naiara Gramacho, Bernardo Oliveira, Janaína França, Nara Santos e Isaac Ribeiro
Diálogos: criação coletiva a partir de improvisações propostas durante a pesquisa teatral
Pesquisa, arranjos e execução Musical: Elinaldo Nascimento, Naiara Gramacho e Isaac Ribeiro
Figurino dos bonecos: Olga Gómez com auxílio de Marcus Sampaio, Marília Castilho e Luiza Sampaio
Produção executiva/camarim: Sandra Pires
Costureira: Rose Silva
Estrutura: Roberto Tosta Braga Jr. a partir de teatro criado por Joanne Bigham
Eletricista: Paulo Maurício
Projeto gráfico: Marcus Sampaio
Fotos: Márcio Lima
Assessoria de mídia: Tatiana Mendonça
Vídeo: Apus filmes
Gestão do Projeto Madeira Viva: Marcus Sampaio e Olga Gómez
Apoio Financeiro: FUNCEB edital de manutenção de grupos e coletivos culturais 2014


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




MENU